Views

AVISO LEGAL:

As informações disponibilizadas nesta página devem apenas ser utilizadas para fins informacionais, não podendo, jamais, serem utilizadas em substituição a um diagnóstico médico por um profissional habilitado. Os autores deste site se eximem de qualquer responsabilidade legal advinda da má utilização das informações aqui publicadas.

O que são Doenças Raras?

As Doenças Raras são caracterizadas por uma ampla diversidade de sinais e sintomas e variam não só de doença para doença, mas também de pessoa para pessoa acometida pela mesma condição.

O conceito de Doença Rara (DR), segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), são doenças que afetam até 65 pessoas em cada 100 mil indivíduos, ou seja, 1.3 para cada 2 mil pessoas.

Existem de seis a oito mil tipos de Doenças Raras, em que 30% dos pacientes morrem antes dos cinco anos de idade; 75% delas afetam crianças e 80% têm origem genética. Algumas dessas doenças se manifestam a partir de infecções bacterianas ou causas virais, alérgicas e ambientais, ou são degenerativas e proliferativas.

OS - Síndrome de Osgood-Schlatter

OS - Síndrome de Osgood-Schlatter



É a Osteocondrite do Tubérculo Tibial.

A Síndrome Osgood-Schlatter (também conhecida como Síndrome da Tração do Tubérculo Tibial Apofisária ou Apofisite da Tuberosidade Tibial Anterior) é uma irritação da cartilagem de crescimento pelo tracionamento excessivo do tendão patelar sobre a Tuberosidade Tibial Anterior (TAT).

O distúrbio é geralmente unilateral, ocorre entre as idades de 10 e 15 anos e é mais comum em meninos. Acredita-se que a etiologia seja trauma devido à excessiva tração do tendão da patela na sua inserção epifisária imatura.

As principais características são dor, edema e sensibilidade sobre o tubérculo tibial no local da inserção do tendão patelar. Não há distúrbio sistêmico. Radiografias laterais do joelho mostram fragmentação do tubérculo tibial. A resolução geralmente é espontânea após evolução de semanas ou meses.

Aliviar a dor e evitar esporte e exercício excessivo, especialmente flexão forçada do joelho, são as únicas medidas necessárias. Imobilização em gesso, injeção de hidrocortisona e remoção cirúrgica de fragmentos ósseos, exercícios e enxertos são raramente necessários.



Deixe seus comentários, compartilhe este artigo!


⬛◼◾▪ Social Media ▪◾◼⬛
• FACEBOOK • TWITTER • INSTAGRAM  • TUMBLR   GOOGLE+   LINKEDIN   PINTEREST


⬛◼◾▪ Blogs ▪◾◼⬛
• SFE®  • SFE Tech®  • SFE Terms®  • SFE Books®  • SFE Biography® 

⬛◼◾▪ CONTATO ▪
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Vitrine